José do Egito – Matéria do R7

Escrito por Thelmo Fernandes . Publicado em CLIPPING TV

“José se sente um estranho ao chegar ao Egito”, adianta Ricky Tavares

Nina Ramos, do R7, no Rio

Veja a galeria completa

Thelmo Fernandes, Ricky Tavares e Maurício de Moura na Cidade Cenográfica. Foto: Nina Ramos/R7

A vida do jovem José vai se complicar ainda mais a partir do próximo capítulo de José do Egito. Jetur (Thelmo Fernandes), que arrastou o filho de Jacó (Celso Frateschi) como escravo pelo deserto por dias, chega com sua “mercadoria” ao Egito.

É lá que José se estabelecerá como servo de Potifar (Taumaturgo Ferreira), ganhará a confiança do Faraó (Leonardo Vieira) e se tornará governador anos depois.

O R7 estava nos bastidores da gravação ao lado de Ricky Tavares. Com machucados de mentirinha, coberto de terra e com as vestes rasgadas, o ator falou sobre este importante momento da trama na vida de José.

— Ele chega a Avaris, a capital do Egito na época, depois de andar seis dias no deserto morrendo de sede e fome. Imagina só: é um lugar totalmente novo para ele. Ele vê pirâmides, templos, construções enormes, pessoas andando sem cabelo de um lado para outro... Para ele é tudo muito diferente. José se sente um estranho naquele momento.

Sempre atento a todos os detalhes, o diretor-geral Alexandre Avancini orquestrou cerca de 400 figurantes na Cidade Cenográfica para rodar as sequências da chegada do protagonista ao Egito.

 

Como as cenas são gravadas no Rio de Janeiro, a sensação térmica de 40ºC desgasta todos os trabalhadores da equipe. Ricky destacou o figurino pesado de Thelmo, que é um andarilho do deserto e vive protegido.

— Externas longas como esta são mais cansativas por conta do sol. Como a gente está no verão e os personagens usam roupas muito pesadas, como o Thelmo, isso acaba dificultando. Mas fazer a minissérie é maior que isso. É uma megaprodução.